Pular para o conteúdo principal

COMIDA COMO REPRESENTAÇÃO DO AFETO

Comida como representação de afeto

Comida como representação de afeto


*Por Josi Bessa, nutrição
Pense nos momentos da sua vida!
Percebe algo em comum nesses momentos?
Conseguiu encontrar algo?
Não?
Vou adivinhar. Em todos esses momentos a comida esteve presente. Não tenho bola de cristal e nem consultei os astros para saber dessa informação, mas a comida está presente em todos os momentos das nossas vidas e ganham uma representação muito forte ao longo da nossa história, pois faz parte da cultura de todos os povos do mundo.
Quem nunca falou uma frase como essa:
“Que vontade de comer um bolo feito pela avó”
Acabamos associando comida com afeto. Afinal, aprendemos a amar no seio da mãe e é através do leite materno que acontece a construção desse sentimento. Festa de aniversário sempre tem comida (já imaginou uma sem?), casamento também tem e até alguns velórios.
Agora uma história para vocês perceberem como essa relação de comida e afeto é fortíssima.
Em 2013 me mudei para o interior de São Paulo para estudar nutrição. Nos dois primeiros anos de faculdade almocei e jantei no restaurante universitário e logo depois dessas refeições sentia muita vontade de comer doces, consequentemente meu consumo de bombons aumento muito. E foi em 2015 nesse processo de entender porque eu sentia tanta vontade de comer doce (antes não sentia tanta vontade) que tive um insight e descobri que tinha vontade de comer a comida da minha mãe que é muito temperada (ela é baiana hahaha). Então passei a trazer os temperos de casa para minha república e comecei a cozinhar.
Reaproximei-me das lembranças com minha mãe quando ainda morava em São Paulo e trouxe o tempero maravilhoso para a comida, que me trouxe mais para perto das minhas raízes baiana. Ah! O consumo de doce diminui consideravelmente, pois descobri qual era meu real desejo quando comia bombom, era desejo de comida de mãe.
Toda essa história para dizer que a comida vai além dos aspectos nutricionais. O consumo de algum alimento pode ter relação direta com alguma lembrança ou afeto.
A comida pode trazer uma sensação de paz e carinho quando se passa por um momento difícil. Comer pode trazer mais tranquilidade para o momento.
Muitas vezes isso é construído na nossa infância.
“Ralou o joelho? Vamos lá tomar um sorvete que passa!”
Essa é outro tipo de frase que pode moldar nossa relação com a comida. Acabamos pensando que comer é a única maneira de lidar com as emoções. Assim, o consumo de altamente calórico e com baixo valor nutricional pode estar constantemente presente na sua alimentação.
Vejo essa ligação comida-afeto como duas faces de uma moeda. Ora pode nos conectar com momentos e pessoas que amamos, ora pode ser usada válvula de escape para lidar com os problemas. Nesse texto [clique aqui] discuto um pouco mais sobre esse comportamento de lidar com os problemas através da comida.
E aí, COMO você come?
Beijos e até a próxima!
Fonte:http://www.sobreavida.com.br/2017/04/13/comida-como-representacao-de-afeto/
_________
*Joseane Bessa – Sonhadora, estudante de nutrição e determinada. Negra, crespa, paulistana com coração de baiana, fascinada com a interação da psicologia e da nutrição. Ama comer e é apaixonada por bolo de prestígio. Escreve no seu blog www.gostoleve.com

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …